segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Emma - Jane Austen


Mais do que tecer críticas da época em que vivia, em seus romances, Jane Austen, consegue transmitir a essência da alma feminina das suas personagens; e isso acontece de tal forma que por mais que você não concorde a princípio com as atitudes delas, acaba por simpatizar com elas no decorrer da trama, e quando enfim se dá conta, está torcendo para que no final tudo acabe bem para a “heroína”. Bem, foi pelo menos isso que senti ao ler a história de Emma Woodhouse.
Emma tinha perdido a mãe enquanto ainda era um bebê. Foi criada aos amorosos cuidados e afetos que o pai, extremamente cauteloso e prevenido, destinava a ela e a sua irmã Isabella. Ele (o pai) contou com a bondade e bons serviços de Miss Taylor, que em pouco tempo deixou de ser uma simples governanta para torna-se amiga da família, como se dela tivesse saído. Quando Isabela se casou e passou a morar em Londres, Emma torna-se a senhora da casa. Bonita, rica, admirada e respeitada por todos em Hartield, era feliz em seu mundo, sem grandes preocupações ou necessidades.
Por sentir-se tão completa, não considerava o fato de casar-se. Primeiro porque não tinha vontade, e em segundo estava seu pai, que pela idade avançada, não aguentaria separar-se da companhia da filha amada. Mas, fato curioso ou não, um dos maiores passatempos de Emma era arranjar o casamento dos amigos, inclusive o de Miss Taylor com o respeitável sr. Weston, o que diga-se de passagem, representou para o sr. Woodhouse, pai de Emma, uma grande lastima.
Até Emma tinha ficado triste, mas feliz ao mesmo tempo pela felicidade da amiga. Agora era só ela e seu pai na grande mansão, e mesmo contando com a visita dos amigos mais próximos como o sr. Knightley, sabia que precisa de uma companhia feminina por perto. É então que conhece Harriet, e tornam-se amigas. Harriet não possuía as mesmas condições financeiras que as famílias Woodhouse e Knightley, mas era uma boa pessoa e de bom coração, o que bastava para Emma. Confesso que essa foi a personagem que menos gostei durante boa parte da história. Fiquei diversas vezes com raiva da passividade e submissão que aceitava os conselhos de Emma, que por mais que tivesse boas intenções não levavam em conta os sentimentos da interessada.
Logo Emma se empenha em arranjar um casamento para Harriet. Mas, as certezas da bela sta. Woodhouse dessa vez saem erradas, causando o sofrimento da amiga. E quando pensa que irá recompensa-la com alguém superior ao outro pretendente, Frank Churchill, a quem Emma idealizou abrir mão, é pega de surpresa pela pessoa até então escolhida pelo coração de Harriet, sendo que esta pessoa, o sr. Knightley, era no final das coisas a pessoa quem ela própria amava. No decorrer da trama, as histórias de outros jovens cruzam com a vida de Emma, e entre si, como o Frank Churchill e Jane Bates, a principal “rival” nas concepções de Emma. Emma que pensara numa ter um relacionamento amoroso, vê-se na terrível situação de se perceber apaixonada pelo escolhido de sua amiga, e ao mesmo tempo, a temer que o afeto era correspondido a ela.
Uma “heroína imperfeita”, não poderia ser uma expressão melhor para se referir a Emma Woodhouse. Desde o começo da leitura a amei e a detestei num só tempo, para depois me sentir tão cúmplice das suas incertezas e repreensões sobre seus próprios atos, que comecei a ler devagar só para saborear melhor seu desfecho. O mais engraçado é que você começa a ficar apreensiva por um possível final triste de Emma mesmo sabendo dos principais defeitos que constituem a personalidade da jovem e das posturas erradas que tomou em determinado momento. Gostei da leitura (apesar da birra que até agora mantenho por Emma), principalmente por ser de Jane Austen, e ela sempre me faz querer estar ali, naquele outro ponto da história e me envolver com as razões subjetivas das personagens, o que de certo modo, faz suas obras sempre serem atuais. Para quem gosta de romance, super indico a leitura.

Dados técnicos:
Editora: Saraiva de Bolso/Nova Fronteira
Tradutor: Ivo Barroso
Páginas: 496

4 comentários:

  1. Adoro Jane Austen!! Adorei a postagem!!!!

    Vc gostaria de ganhar Cinquenta Tons de Cinza + Amazônia? Passa lá no blog. Está super fácil de concorrer: http://marlicarmenescritora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visita Marli. Jane Austen é ótima, uma das minhas escritoras favoritas.

      Beijos!!

      Excluir
  2. Izabela,

    Emma, como Jane Austen previu, não é fácil de amar. Ótima resenha e mencionarei hoje no meu Jane Austen em Português.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada Raquel, fico feliz que tenha gostado da resenha!!

    Beijos!!!

    ResponderExcluir

Vamos trocar ideias?