terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Amarga Vingança - Andrea H. Japp

O que gosto num romance policial é quando os autores conseguem criar uma narrativa que envolve o leitor de tal modo que o faz se sentir parte do enredo, chutando hipóteses, recriando cenários e sentindo um pouco da adrenalina de quem tenta desvendar os casos. Em Amarga Vingança Andrea Japp conseguiu reunir bem essas características.
Esse é o segundo livro de uma série com a profiler Diane Silver. Considerada uma das melhores capturadoras de serial killers, Diane divide o seu tempo entre solucionar os casos de seu trabalho e tentar encontrar a cúmplice do homem que sequestrou, estuprou e matou sua filha Leonor. Para isso ela própria se junta a Nathan Hunter (Rupert Teelaney), um assassino de serial killers (outro assassino em série?), que de uma maneira estranha e talvez doentia nutre uma simpatia e admiração por Diane. Paralelo à caçada pela mulher que ajudou um psicopata a acabar com a vida de 15 meninas inocentes, incluindo a filha de Diane, temos o aparecimento de três cadáveres numa casa abandonada, que pelo que observa havia sido ação de outro psicopata que encarcerava mulheres para obtenção de poder. Não conto muito do desenrolar da trama porque a graça de ler um thriller é poder ir descobrindo o como foi pensado o crime e as motivações que impulsionaram os criminosos.
No começo da leitura estranhei um pouco o estilo da autora, mas ao mesmo tempo em que gera certa estranheza, logo prende o leitor pela descrição dos assassinatos que acabam deixando o desejo de saber o que ocorreu ali. Quando você se acostuma com a escrita da autora a leitura flui bem. Gostei da construção da personagem de Diane, até me lembrou de Olívia do seriado Law & Order. Como leitora consegui sentir a dor e o desejo de vingança que encobria as ações de Diane. Ela consegue ser inteligente e perspicaz na solução dos crimes sem parecer algo superficial ou inato a ela. Essa humanidade nas personagens é um dos pontos que também apreciei no livro de Japp.
A escrita como já falei é fluída e envolve o leitor. Principalmente depois do aparecimento do caso dos três corpos a leitura se torna mais dinâmica e envolvente. E que final foi aquele? Quando você pensa que tudo estava resolvido, acontece algo inesperado (e que me resoltou na verdade) que me fez ficar pasma com a forma como a autora conseguiu criar um suspense convidativo para o próximo volume da série. No mais, é uma boa pedida para quem curte livros do gênero e gosta de conhecer novos escritores. Narrativa ágil, investigação e surpresa são alguns dos elementos que o leitor encontrará nesse livro.

Sobre a autora:
Formada em Bioquímica, Andrea H. Japp começou a escrever romances policiais a partir de 1990 com a publicação do livro La Bostonienne premiado no ano seguinte pelo Festival de Cognac. Atualmente é considerada como uma das rainhas francesas do crime policial com mais de vinte livros já publicados e bem aceitos pela crítica. Numa pesquisada rápida no Goodreads é possível ver uma boa aceitação de seus livros. No Brasil temos publicado dois dos três livros da serie da Diane Silver pela editora Vestígio.

Notas do exemplar:
Editora: Vestígio (Grupo Autêntica)
Tradução: Fernando Scheibe

Páginas: 268.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vamos trocar ideias?