quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Persuasão - Jane Austen

Persuasão foi uma das melhores leituras que fiz no ano passado. Não só porque é de uma autora que admiro bastante, mas porque acho que a forma como Jane Austen construiu essa história faz com que um enredo que tem tudo para ser (e na verdade é) um clichê seja mais que isso, seja uma história de amor digna de ser tida como clássico. Talvez por ter sido o último livro e reescrito por Jane Austen ele nos apresenta uma narrativa mais madura que faz com que o leitor se envolva mais e acredite naquilo que está sendo contado.
Nesse romance temos as características dos livros da Jane Austen: as críticas a uma sociedade que sobrevive de aparências; as querelas familiares; as reviravoltas na situação de algumas personagens e uma história de amor. Dois jovens, Anne Elliot e Frederich Wentworth, enamoram-se e estão dispostos a dividir uma vida juntos. Mas, na época Frederich por ser da marinha inspirava na família de Anne uma provável instabilidade financeira. Anne é então persuadida pela sua amiga e quase segunda mãe, Lady Russel, para terminar o relacionamento com o aspirante a marinheiro. Mesmo amando Frederich Anne se deixa influenciar e acaba a relação entre os dois.
Oito anos mais tarde os dois se reencontram em situações diferentes. Frederich agora é um reconhecido capitão da marinha e possuidor de uma significativa fortuna e Anne atravessa uma crise financeira por conta das extravagâncias do pai e da irmã mais velha. Daí em diante a trama gira em torno do dilema sobre o que vai acontecer com o casal, que visivelmente ainda se amam, mas Frederich está muito magoado e ressentido pela falta de coragem de Anne em defender o amor dos dois no passado, e Anne se mostra na defensiva como sempre dando a perceber que o destino cuidará das coisas mesmo desejando estar novamente ao lado do capitão que agora era um bom partido naquela sociedade. Os encontros entre eles são cheios de tensões porque a princípio Frederich busca de toda forma ignorar Anne. Já ela sofre porque começa a se dar conta do erro que poderia ter evitado se tivesse sido menos inconstante e mais segura de si. Os eventos que vão surgindo na trama colocam em xeque decisão de aproximação ou distanciamento entre os dois.
O que mais gostei do livro foi a presença do sentimento masculino na história. As heroínas criadas por Jane Austen sempre são as grandes estrelas de seus livros. Com Anne Elliot não é diferente (minha preferida até aqui talvez), mas a maneira como ela expressa os sentimentos dos personagens masculinos é muito bonita, ela consegue demonstrar os dois lados da história, e contraria um pouco a ideia de que só as mulheres é quem sofre por amor. Acompanhar também o amadurecimento de Anne, ela tomando confiança em si mesma, foi bem interessante durante a leitura, mais do que em Emma porque ali a protagonista meio que forçada a mudar de comportamento, e em Persuasão Anne continua sendo a mesma só que começa a tomar coragem de mostrar ao mundo quem é.
Vale a leitura para conhecer uma grande autora que soube esboçar tramas inteligentes sobre as relações sociais e para torcer e se emocionar com o casal de protagonistas mais simpáticos da literatura.

Notas do exemplar:
Editora: Zahar (Coleção Clássicos)
Tradução: Fernanda Abreu
Notas: Fernanda Abreu e Juliana Romeiro

Páginas: 270.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vamos trocar ideias?